quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

O MEDO MAIOR É DEPOIS DO FIM


 Não é que eu tenha medo de me relacionar novamente. Ter algo sério. Um compromisso de verdade. O meu medo é quando esses tipos de coisas chegam ao fim. Você passa muitos momentos da sua vida junto daquela pessoa. Depois que tudo acaba, você sente aquele vazio. Mesmo não gostando mais você começa a sentir falta, porque tudo o que você viveu com aquela pessoa acabou deixando marcas e rastros por todos os lugares que você adora ir. Não gosto daquele clima chato de brigas também, quando se ama e você acaba tendo um conflito no meio daquilo tudo, acaba provocando dores e preocupações, e isso não é legal. O pior de tudo é quando tudo termina e ainda se tem amor um pelo outro. Você sofre mais, sente mais o baque da coisa toda. E é por isso que penso muito quando algo começa a ficar sério relacionado à isso tudo. 

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

2013. Ah, 2013


 Duas da manhã e eu aqui. Sentado. Em frente ao meu notebook digitando essas simples palavras, ao invés de eu estar dormindo Estou aqui depois de muito tempo colocando alguns demônios pra fora. Na verdade, não é nada que esteja me sufocando, e sim alguns pontos que eu tenho observado (como sempre) e que tô afim de relatar. 2013. Ah, 2013. Que ano maluco foi esse, meu amigo? Eu sei que ele ainda está aqui, presente e vivo. Mas se eu deixar acumular todos esses fatos é capaz de eu nem conseguir dormir essa noite. É nada demais. Seguinte. Primeira vez da minha banda de rock no Liberdade ao rock, primeiro show do ano. Lembro daquele dia como se fosse ontem. Mó galera curtindo o nosso som. Gritos, euforia. Galera chegando mais perto. Muita gente. Elogios. Entrevista. Nego que nunca vi na vida vindo falar comigo e elogiar o nosso som. Trabalho. Só esse ano tive três empregos. Um fui demitido por fim de contrato de experiência, e dei graças a Deus de terem me mandado embora. Não aguentava mais aquele lugar, aquela escravidão. Depois de um mês consegui outro trampo. Que foi bastante estressante e tive como chefe uma bela de uma puta senhora que não sabia nem se quer se comunicar com as pessoas. Arrogante e prepotente só ela queria ser. E finalmente agora meu emprego atual. Onde consegui uma boa satisfação em todos os aspectos, trabalho tão bom e certinho que nem parece ser real. Não pensei duas vezes em pedir demissão da empresa que eu tava pra ir pra essa atual. Agora voltando ao assunto sobre minha banda. Tivemos mais uma apresentação no Liberdade uns dois meses depois da primeira. Desastre, caos total. E no pior dos sentidos que vocês podem imaginar. Retorno naquela bendita hora desapareceu. Tinham dois ali na minha frente, mas é como se não tivesse nada. Eu, meio bêbado. Me esgoelando. Porque acreditem, cantar sem se ouvir ninguém consegue fazer nada direito. Erros fatais. Erros banais. Saí do palco junto com os meninos considerando aquela a nossa pior apresentação, e por incrível que pareça foi a qual onde o público pirou mais do que todas já feitas. Depois disso apareceram as faltas de compromisso. Brigas, desentendimentos. Parada obrigatória pra banda. E desde então tento reerguer isso que é uma das coisas que mais amo fazer na vida. Agora cheguei ao momento que consegui fechar o pacote e em breve estaremos fazendo um som de novo pra galera curtir. Com coisas novas, coisas diferentes e que já deviam estar acontecendo há muito tempo. E é isso. 2013 ainda continua. Tenho planos pros próximos passos, e tenho receio de algum passo ser destruição total. Mas vou arriscando, se não nunca irei descobrir o que ainda tem pra ser jogado em cima de mim.  

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

MINHA PROJEÇÃO

 Depois de mergulhar no mundo em que "viver solteiro é a melhor condição", percebi que a festa é mais divertida. Só que há um problema, eu sinto que algumas vezes o meu coração pede para ser ocupado por uma só pessoa. E acho que acabei criando um atalho pra isso, só que não está dando muito certo e ando me machucando cada vez mais. Resolvi montar tipos de projeções que se encaixam no perfil que eu gosto, e quando vejo alguém que se enquadra nisso fico todo animado. E essa animação me frustra de uma hora pra outra, e isso me faz muito mal. Eu me animo, me apaixono, sem ao menos ter contato físico. Fico imaginando como as coisas seriam, mas também já fico com aquele pé atrás pensando que um relacionamento nos dias de hoje seria destruir toda a minha liberdade. E sinceramente, destruir a minha liberdade é a última que quero fazer no mundo. 

domingo, 7 de julho de 2013

É PRECISO REALMENTE AMAR?

 Esse lance de amar as pessoas é algo muito sério e perigoso. Nem tudo que se vê é verdadeiro, nem tudo que parece ser realmente é. Existem coisas tão belas, mas são tão falsas. E as pessoas se encaixam nesse contexto. Não vou generalizar isso, e nem se quer tô fazendo isso. A real é que hoje em dia tá tão complicado confiar e acreditar em alguém, que o receio prevalece. Creio que esse receio possa ser uma espécie de proteção. Você se esquiva e se liberta de algumas dores e decepções. Um grande problema meu é amar as pessoas demais, e isso já foi dito aqui algumas vezes. E dias atrás percebi mais um problema em relação à amar. Eu mal conheço alguém e já tô totalmente animado por aquela pessoa ser legal, amiga, parceira e todas essas qualidades predominam a minha cabeça. E já quero que a outra pessoa sinta a mesma coisa por mim. Não chega à ser amor, mas chega a ser paixão inesperada. E se liguem, não estou falando de relacionamentos e nem algo do tipo. Falo de amar os amigos, pessoas novas que surgem na vida, que podem fazer com o que eu perca todo esse receio e que faça com que eu acredite que ainda existem pessoas confiáveis nesse mundo. 

terça-feira, 2 de julho de 2013

FONTE DE IDEIAS


 Tem tempo que a fonte está totalmente enriquecida e as ideias fluem de uma maneira extraordinária e fácil, mas também tem tempo que não vem nada e é o tempo que tento não cair em desespero. Esse lance de compor é algo muito massa, você põe tudo pra fora da sua cabeça. Coisas que estavam ali há tempos e foram elaboradas de uma maneira melhor, e coisas também que surgiram na hora e de uma maneira fácil. Nos momentos em que não vem nada, procuro ao máximo não entrar em pânico. Encaro isso como algo natural, pois nem sempre irão vir ideias que surgem no papel. Nessas horas eu procuro me manter mais informado das coisas, observo mais, leio mais. Tudo que envolve a vida é algo beneficiário pra esse tipo de coisa. E eu vou sempre buscar conhecimento pra que essa fonte nunca seque de vez.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

APONTAR O DEDO É FÁCIL


 Muitas vezes acabo parando pra pensar no quanto que as pessoas julgam as outras, sem ao menos saber dos verdadeiros fatos. E tenho completa noção do quanto isso dói quando principalmente, acontece comigo. Ao mesmo tempo que o julgamento é feito, você se sente pressionado e acaba se perdendo na agonia e no desespero por acabar não sabendo como lidar com aquilo tudo. Você acaba tomando medidas drásticas, decisões que nem mesmo são aquelas que você gostaria de ter tomado. Nada que é feito pode ser apagado, mas tudo que é quebrado tem alguma forma de ser concertado. Não é mesmo? Eu penso seriamente em me refugiar pra um lugar bem distante, onde eu possa refletir sobre a minha vida. Organizar as ideias, pensar em tudo que vêm acontecendo comigo. Preciso fazer isso, aproveitar esse meu desejo antes que aconteça alguma tragédia. 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

IMPULSIVIDADE AGRESSIVA

 Eu tenho que começar a pensar melhor nas decisões que eu tomo. Essa minha impulsividade é agressiva, e esse é um dos meus maiores problemas. Tenho que começar a pensar melhor, porque isso pode levar à alguma tragédia. Posso destruir alguma coisa importante, e muitas coisas quando são destruídas acabam não se reconstituindo mais. Naturalmente não costumo me arrepender das coisas que faço, mas é melhor eu procurar resolver essa minha impulsividade de uma vez, antes que eu tome alguma decisão que possa acabar com tudo. 

quarta-feira, 24 de abril de 2013

FELICIDADE, CRIAÇÃO OU OS DOIS


  A felicidade é um lance muito legal de ser vivida, mas ao mesmo tempo ela possui aquela coisa boba de ser. Ela não faz funcionar o processo de criação. Criar letras, ter ideias que surgem em momentos inesperados, principalmente naquelas horas em que estamos tristes e precisamos libertar todas aquelas dores em algum papel. E no momento o que está acontecendo comigo é isso, estou me sentindo muito feliz. Apesar de algumas coisas ainda não estarem intactas, o meu ser por dentro e por fora está se sentindo muito bem. Mas reparei que isso também pode ser um problema, um problema pra minha criação. Eu gosto também de me sentir triste de vez em quando, porque pode não parecer, mas me favorece bastante. As letras de músicas que faço são muito importante pra mim, é onde percebo que as minhas ideias podem fazer surgir coisas boas e absurdas. E a tristeza, querendo ou não, faz com que isso aconteça. Que venham essas ideias de lugares menos esperados. É algo muito louco, e que na maioria das vezes acontece quando estamos tristes. Mas também parei pra pensar que eu tenho que fazer isso funcionar mesmo eu estando feliz, é só eu trazer mais conteúdo pra minha cabeça e absorver todas as coisas que eu observo e faço. Não me sinto obrigado a compor, e muito menos forço as ideias surgirem. É só ficar relaxado, que quando menos eu esperar o negócio vai funcionar.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

DECRETO FINAL

 Chega desse amor exagerado pelas pessoas. Chega de viver intensamente e não ter nenhum sentido nisso tudo. Eu simplesmente tô cansado de depositar confiança em quem não se deve, e acabar quebrando a cara. O meu problema sempre foi esse, amar demais as pessoas e acabar me fazendo mal. Desculpem-me se estou tomando uma atitude covarde, mas não há mais opção para mim. Beijos, abraços e um simples Adeus.
P.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

MEU VÍCIO


  Hoje em dia percebo no extremo em que eu cheguei, ficar viciado totalmente em alguma coisa que pra mim antes era uma forma de se divertir e se distrair. Só que comecei a ficar preocupado, porque simplesmente a coisa toda se tornou algo do meu cotidiano. Uma hora ou outra penso nela e faço. Talvez caminhar para chegar em um lugar muito fora da realidade seja algo que faça com que eu me sinta leve e bem de novo, às vezes é bom ter esses distanciamentos do mundo real. Só que eu preciso de algo que seja saudável pra me distrair do jeito que eu quero, e isso que tô fazendo é algo que vai me destruir aos poucos. E pode ser que acabe destruindo tudo que eu já construí, por isso a minha preocupação. Porque as únicas coisas que eu tenho nessa minha vida, são as coisas que mais amo nesse mundo.

quinta-feira, 28 de março de 2013

SEM SENTIDO

 Ultimamente não tô conseguindo me saciar em nada. Nada está me satisfazendo por completo. Tudo está perdendo o sentido da coisa toda. Tô ali no meio das pessoas, mas ao mesmo tempo estou distante demais. Com meus pensamentos me levando aos lugares mais absurdos e escuros, tão escuros que chego ao ponto de ficar triste e deprimido. E tudo isso acontece dentro da minha cabeça, na minha imaginação. Mas é uma imaginação real, que faz eu sentir as piores dores que um ser humano pode sentir. Não falo de dores físicas, e sim dores sentimentais. É de sufocar o coração e fazer os meus olhos deixarem cair água até onde eu suportar. Meu rosto alegre não passa de uma máscara, que passa a impressão de que estou me sentindo bem. Só que me sentindo bem por fora, e por dentro fico me sentindo um desastre. Um robô com as suas peças totalmente acabadas e destruídas, um resto de coração com seus outros pedaços jogados pelo caminho dessa vida insana e deprimente. Até mesmo a minha banda de rock que é uma parada que amo muito não está me dando completa satisfação e felicidade. Entro no estúdio e os meninos da banda estão lá. Seus instrumentos plugados e o microfone ali me esperando. Começam a tocar as músicas e nessa hora meus pensamentos inventam de me levar pra outro lugar. Tô ali tocando com a minha banda, mas ao mesmo tempo estou longe. Distante de tudo e de todos. Até mesmo nos dias dos shows aquela euforia toda da galera que curte o nosso som não me anima. Percebi que com a banda só consigo passar diversão e satisfação pros outros e não pra mim. E cada vez mais vejo o caminho do fim, porque todas essas coisas que gosto de fazer estão perdendo os seus sentidos. E pra ficar satisfeito e bem tem que existir o sentido das coisas, não é mesmo? Eu fico pensando se isso tudo que acontece comigo é um grande castigo de Deus. Será porque abandonei um grande amor da minha vida? Mas juro que fiz isso, porque só assim teria uma paz no meu coração. Esse negócio de amar e ter compromisso é sério até demais, tem que cuidar um do outro e ter mais preocupações além das suas. Sem falar nas outras coisas que um relacionamento mantêm. Só tenho a certeza que fiz o melhor, porque quando não é pra ser não é mesmo. Costumo não insistir nas coisas e nesse caso eu insisti até demais. E hoje em dia me vêm tantas coisas na cabeça sobre todos as coisas que fiz e deixei de fazer, mas não me arrependo nem um pouco de tudo isso. O que foi feito e deixou de ser feito já era, não adianta se arrepender de nada. O problema agora é esse lance de tudo ficar sem sentido pra mim, espero que o sentido de todas as coisas que gosto volte. Pois se não voltar, eu tenho certeza que o único caminho que vou ser obrigado a seguir é o fim.

domingo, 24 de março de 2013

RODEADO PELA HIPOCRISIA

  

 Acho incrível como as pessoas conseguem ser falsas. É muito hipocrisia jogada por todos os lados. Pra onde olho vejo coisas secas, vazias e sem conteúdos. Fico na minha observando tudo o que falam uns dos outros. Hoje em dia parece que tudo fica muito mais fácil ter que apedrejar pelas costas e julgar sem a outra pessoa precisar ouvir. Por mais que a verdade seja cruel, eu gosto que ela seja ouvida. Que seja dita na cara, que seja sincera e que assim todos saibam o que cada um pensa. Eu tô começando a ficar cansado em ter que ficar rodeado de pessoas desse tipo, pois o mundo tá cheio. Sempre vão ter pessoas assim, achando que tudo fica mais fácil em não dizer as coisas na cara. E a frase "A verdade seja dita" acaba sendo esquecida. Infelizmente.

sexta-feira, 22 de março de 2013

VONTADE DE MORRER


  Ultimamente tô naquela fase de querer sumir do mundo. De me isolar totalmente e tentar me livrar de alguns demônios que já se infiltraram em mim há tempos. Eu penso que seria muito bom ter que morrer por dentro e por fora por alguns dias, e ficaria totalmente sem preocupações. Aí sim estaria totalmente solitário, mas sem vontade de derramar lágrimas e nem sentir dores que me façam gritar dentro do meu quarto quando eu estiver sozinho.

terça-feira, 19 de março de 2013

PESSOAS EM EXCESSO DE SOLIDÃO


  Eu sempre tô rodeado de muitas pessoas. Pessoas que me divertem, me acompanham, que trabalham e mais de outros tipos que convivem comigo. Só que mesmo assim ainda sinto um vazio, tudo é tão completo, mas ao mesmo tempo tudo está oco. Por mais que eu esteja rodeado de muitas pessoas eu ainda continuo me sentindo sozinho. Até mesmo toda aquela multidão que presencia os shows da minha banda de rock quando tocamos por aí, faz com que eu tenha a mesma sensação. Tô ali fazendo o show junto com os meninos, mas mesmo assim continuo me sentindo só. É como se meu corpo ficasse programado só naquele momento, pra fazer o que se deve fazer e quando sair do palco voltar a realidade. Percebi que muitas das vezes levo algum tipo de diversão pros outros, mas a minha própria diversão não me deixa completo. Só queria poder me sentir rodeado de verdade, e não ficar cheio de pessoas ao meu redor e mesmo assim me sentir sozinho.

domingo, 10 de março de 2013

RODEADO PELO NADA

 Acabei percebendo que meus momentos de felicidade e alegria são quando estou no meio das pessoas que amo. Quando consigo me divertir e me distrair, e é aí que acabo esquecendo do meu mundo real e deixo os problemas de lado por alguns instantes. Mas quando vou pra casa, caio na tristeza novamente. Fico me sentindo terrível, inútil e um ser sem sentido no meio disso tudo. Muitas vezes, por mais que eu esteja rodeado de muitas pessoas me sinto sozinho.  Não sei muito bem qual o motivo de eu ficar me sentindo dessa forma, talvez seja porque a minha vida anda desconcertada e muitas coisas estão dando errado. Coisas que fiz o possível pra evitar, mas que acabam acontecendo. Parece que quanto mais se evita, mas vem. E a única opção que tenho é viver até a paciência chegar no limite.

quarta-feira, 6 de março de 2013

MAL INTERPRETADO


  Sempre tive problemas com muitas coisas na hora de se expressar. Acho que as minhas ideias são totalmente diferentes de tudo e de todos. Pois muitos chegam à me interpretar mal. São poucas as vezes que consigo fazer com que entendam por completo o que tô querendo dizer, o que estou sentindo e o que na verdade é de mim  mesmo. Talvez o problema não seja as pessoas, o problema pode ser eu. Minha forma de expressar, de falar e de expor as minhas ideias. E isso me deixa totalmente frustrado e cada vez mais desesperado e perdido.

sábado, 2 de março de 2013

NÃO SENTINDO MAIS AMOR






 Ultimamente tenho percebido pequenas coisas que estão fazendo um grande sentido pra mim. Talvez, seja coisa da minha cabeça louca cheia de ideias que se misturam de acordo com o que sinto e vejo. Mas acho que alguns comportamentos e sorrisos me deixam claras algumas coisas, pois sempre tô aqui observando e analisando tudo. Não tenho hora e nem lugar, sou um ser complexo e observador.
 As pessoas ao meu redor estão indiferentes comigo. Não as sinto por perto mesmo estando. Comecei a ficar cansado de sentir pessoas vazias ao meu redor. Não quero ficar me sentindo feliz por fora, e totalmente destruído e triste por dentro. Isso não é legal. Preciso de pessoas pra conversar, pra eu ter meus momentos de colocar os "demônios" pra fora. Mas pra isso preciso criar confiança, e em pessoas vazias confiança não se cria. Não tô me sentindo amado e nem adorado por muitos que amo, me sinto sozinho mesmo estando rodeado de tantas pessoas. Espero que uma hora isso passe, e eu sei que vai passar. Afinal, tudo passa.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

THE LOVE






  Têm vezes que eu me pego pensando no amor. Em toda aquela paixão e "desespero" por alguém. Me pego pensando e sentindo um pouco de falta desses tipos de coisas. Só que logo me vêm na cabeça o quanto que o amor machuca, o quanto que é complicado amar alguém e ter toda aquela paciência e virtude pra lutar e ficar em paz. Já amei algumas vezes nessa vida, já tive e senti amores que transbordam. E hoje em dia nenhum tipo desses me convencem mais, não me satisfazem de nenhuma forma. Posso até sentir uma certa carência em alguns momentos da minha vida, mas nada que algo que seja divertido e carinhoso possa me satisfazer naquele momento. Coisas desse tipo me deixam mais saudável, mais completo e em paz comigo mesmo. E é assim que consigo ficar tranquilo e bem com o meu coração.

domingo, 20 de janeiro de 2013

MONSTROS BONS. ANJOS RUINS






  É como eu sempre digo: A verdade sempre aparece. E isso o tempo me mostra. É incrível como as pessoas tem facilidade de mentir e enganar. Mesmo com a verdade estampada na própria cara, elas procuram sempre fingir. Chego à ter medo dos próprios anjos, e acabo confiando nos monstros. Pra ver o quanto que o mundo está perdido, o quanto que as pessoas estão cada vez menos confiáveis e firmes no que dizem e fazem. De quê adianta ficar querendo se esconder por trás de máscaras se um dia elas vão cair? Máscaras se destroem, e no final a verdadeira identidade aparece.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

QUERENDO DESFAZER


  Depois que tudo muda paramos pra pensar que tudo podia ficar como era antes, que todas aquelas risadas e brincadeiras podiam ficar ali, preservadas e as mantendo pra continuar tudo bem. Sei que não podemos impedir que as coisas aconteçam, mas se eu tiver a oportunidade de adiá-las vou lá e faço. Adiar as coisas talvez seja querer fugir do que pode acontecer, só que essa forma de encarar as coisas me trás felicidade naquele momento. E quando não adio as coisas, bate aquele arrependimento. Fico me questionando por que não deixei quieto, que assim tudo poderia ficar da forma que era antes. As pessoas podem não aceitar seus segredos, e quando resolvemos compartilhar é a hora em que decidimos nos arriscar mais uma vez.