quarta-feira, 18 de novembro de 2015

POR QUE NOS APAIXONAMOS?


 Por que que nos apaixonamos? Qual a lógica disso acontecer?
 Tu ficas frágil. Mais sentimental, mais sujeito à se machucar facilmente. Isso acontece com mais facilidade quando muita coisa se mistura. Quando tu estás com saudade, quando estás carente, quando estás mais sensível. O mais complicado quando a situação não está em uma forma recíproca dos sentimentos. Tu estás apaixonado, a outra pessoa não. Ela pode até tá gostando de ti, mas gostar não é estar apaixonado. Existem diversas maneiras de se gostar de alguém. E o apenas "gostar" é o mais leve dessas formas. Tu estando apaixonado fica mais propício a se machucar e se comover. Outra coisa que questiono também e fico pensando muito quando tô numa situação dessas é: Será que é bom mesmo eu ter voltado com os meus sentimentos? Será que é bom mesmo eu estar apaixonado? Será que vale a pena mesmo sentir que não está desalmado? Pois eu fico achando que quando estamos "frio", ficamos mais protegidos de se machucar. A minha vontade é de jogar tudo pra cima e sumir. Sumir e não sair nunca mais de onde eu devia ter saído. 

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

TEMPO


 Eu acho que não sei lidar com esse lance de "dar um tempo". Eu fico apavorado, porque pra mim parece que a pessoa vai embora de vez, que vou perdê-la ou que se voltar vai ser tudo diferente. Desde o meu primeiro relacionamento carrego esse tipo de pensamento comigo. É muito ruim pensar dessa forma, por mais que eu tente relevar e tentar ver por um lado melhor. Meus sentimentos voltaram depois de cinco anos. Me comovo fácil. Depois de todo esse tempo me sinto vivo e com a minha alma de volta. Mas sei também que tô sujeito a me machucar e tô menos protegido. Não quero jamais ter que voltar a ser frio e sem sentimentos, mas também não quero ter que ficar frágil. Sujeito à se machucar demais novamente como no passado. E meu maior medo é esse, porque sentir esse tipo de dor é demais terrível. É apavorante e agoniante. Outra coisa que é frustrante é perceber que não devo e nem posso me abrir, porque levo cortadas. Fico com aquele lance de "cala a tua boca, meu. Tu só falas asneiras e coisas bobas" E assim sendo, resolvi guardar absolutamente tudo pra mim. Aprendi que jamais devo ser tão aberto e claro com meus sentimentos. Que jamais devo esperar por reciprocidade. E é isso. Serei o meu próprio amigo.