segunda-feira, 1 de agosto de 2016

TUDO PRA FORA


 Quando eu gosto sou o tipo de pessoa que insiste e que vai até onde eu puder, mas acho que tem hora que o limite bate, né? E nessas horas é desapego total. Eu quando gosto crio pontes pra continuar caminhando até onde eu não puder mais. Só que ultimamente eu tenho percebido que isso me faz mal. Quando tô contigo eu me sinto relaxado. Fico bem, de verdade. Mas quando tô longe parece que eu não existo pra ti. Que "gostar" é esse que se quer não manda um "oi, tu estás bem?" em alguma hora do dia? Eu não quero impor compromisso sério, até porque não é uma coisa que eu almejo agora e acredito que esses tipos de coisas não se planejam. Simplesmente acontecem. Mas eu gostaria de ter alguém pra ser um companheiro. De compartilhar momentos. De me fazer um cafuné quando eu tiver precisando. De ter uma companhia pra ir ao cinema, de assistir um netflix, de acompanhar uma série juntos, de pedir uma pizza com um vinho barato e gostoso, de dormir agarradinhos nos dias frios. Eu percebi cada vez mais que não é necessariamente só sexo que eu preciso. Percebi isso nas vezes em que eu terminava tudo e a coisa que eu mais queria no fim era ir pra casa ou que a pessoa fosse embora da minha. Eu acho que não tô mais nessa fase. Tô na fase de me aquietar. Não necessariamente namorar, mas o que eu desejo há uma analogia com namoro, só que sem cobranças, sabe? Só que não posso mais ficar alimentando algo que não passa de sexo. Eu quero mais do que isso. Quero um amigo em que eu possa abraçar e trocar carícias quando eu tiver precisando. Quero poder te mandar mensagem e dizer que vou te ver. Chegar lá e ficar jogando conversa fora. E muitas outras coisas do tipo. Eu simplesmente só queria ter um companheiro e não ser apenas um objeto sexual. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário