sexta-feira, 25 de maio de 2012

FRASCO DE VIDRO



 Meu corpo e mente entrou em uma forma de vidro, onde tudo se encontra tão frágil e tudo que é dito e feito, possa criar rachaduras entre as paredes de vidro. É um momento delicado em que eu preciso me encontrar na forma humana de novo, talvez eu passe uma imagem exagerada pras pessoas. Mas algo que me torna sensível, às vezes, é muito mais forte do que meu corpo pesado de carne e osso. Carne e osso físico e mental.
 As luzes se distanciam e vão pro fim do caminho. Pois nessas horas os lados obscuros mostram o terror, a agonia e tudo que me torne um ser fraco. Lágrimas caem sob a minha pele do rosto, deslizando até o chão. A dor no peito é forte e me sinto fraco, e meus anseios se misturam no meio de tudo isso e faz meu coração vibrar de tensão.
 Nessas horas eu me sinto sozinho. Até mesmo porque eu escolho isso. Me isolo do mundo e de tudo que eu amo, fico no meu canto quieto e deixo que esses mil demônios saiam de dentro de mim. Só assim eu me sinto livre e leve de novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário